Daniel Gatti

Daniel Gatti (Uruguay) - dgatti@real-uita.org

Superexplorados e invisíveis

Na Europa, a indústria da carne movimenta bilhões de dólares e gera cada vez mais lucro para as empresas, porém boa parte dos milhões de trabalhadores empregados são migrantes trabalhando em condições de precariedade quase total.

“A humanidade contra Bolsonaro”

Uma associação austríaca denunciou o presidente do Brasil na terça-feira 12 ao Tribunal Internacional de Justiça de Haia pelo desastre ambiental global na Amazônia decorrente das políticas extrativistas defendidas por seu governo.

Olhos que não querem ver

A indústria química está pressionando a Europa para que o glifosato possa continuar a ser usado no continente, apesar de 60% dos estudos científicos publicados nas Universidades da região demonstrarem sua nocividade.

Um cenário “à la Trump”

Para o assessor de direitos humanos da UITA, uma janela se abriu no Brasil para o impeachment do presidente Jair Bolsonaro, que mostrou certa recuada após sua ofensiva contra o STF e o Congresso. Em todo caso, diz ele, as coisas em seu país «mudam muito rápido» e Bolsonaro ganha com isso tempo para possivelmente contra-atacar.

Tem coisa melhor que o pão?

Alimento básico da humanidade desde os tempos pré-históricos, o pão nosso de cada dia deveria hoje ser retirado de nossas mesas, devido ao alto índice de contaminação por agrotóxicos presentes no cereal que, na maioria das vezes, estão presentes em sua feitura, o trigo.

À vista de todos

Cerca de três meses antes da próxima cúpula do clima das Nações Unidas na Escócia, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) divulgou um novo relatório que reitera advertências anteriores: se continuarmos assim, em menos de 30 anos a vida na Terra será irreversivelmente transformada.

No Rio Grande do Sul, pedem que empresa seja punida por uso indevido de 2,4 D

O herbicida 2,4 D é um dos muitos agrotóxicos altamente perigosos que estão sendo progressivamente abandonados no norte, mas que ainda estão sendo usados no sul. No Brasil, o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) iniciou uma ação judicial, nessa semana, contra a empresa que o produz pelos danos já causados. Mas a medida, embora positiva, é apenas um paliativo em um contexto nacional e estadual nada favorável aos defensores do meio ambiente e da saúde.

Um paraíso para a transnacional da soja

Da ausência de consulta prévia, passando por irregularidades operacionais de todos os tipos, até chegar à falta de um estudo completo de impacto ambiental, constata-se: o porto operado pela transnacional Cargill, desde 2003, no rio Tapajós, no estado do Pará, ignora solenemente as regulamentações ambientais elementares, passando por cima dos direitos dos povos indígenas que ali vivem, e gerando consequências econômicas negativas para a região.