Parabéns ao povo negro

Passados 131 anos da abolição da escravidão negra, o saldo de avanços da sociedade brasileira não permite grande comemoração nos tempos atuais. Nosso país ainda é injusto com os negros, e está longe de ter pago a dívida histórica, contraída durante os 388 anos de trabalho escravo.

O dia em que as galinhas comeram a raposa

Em um contexto de grande turbulência política e social na América Latina, o Chile se olha no espelho e não se reconhece. «Dignidade», «justiça», «equidade», «solidariedade», «liberdade», «direitos civis»: depois de décadas de intimidação e desesperança, a sociedade chilena mobilizada venceu o medo e decide ir com tudo.

Repressão e autoritarismo

Na quinta-feira, 3 de outubro, o povo equatoriano saiu às ruas para protestar pacificamente contra as medidas econômicas e fiscais do governo de Lenín Moreno. Milhares de manifestantes foram brutalmente reprimidos, houve mais de 200 detidos e dezenas de feridos, certificando a boa saúde do aparelho repressor e sua intencionalidade política.

Quem foi que pediu?

Estas reformas como as que vêm sendo impostas na Espanha e no Brasil, bem como as propostas no Peru e na Argentina – para citar alguns casos – são um fenômeno mundial, sendo que todas elas têm um denominador comum: reduzir o custo do trabalho, precarizar as condições de trabalho e privilegiar o capital sobre tudo e todos.

Epidemia mortal

Defender a terra e os bens comuns tornou-se cada vez mais perigoso e a possibilidade de perder a vida, quase uma certeza. Na última semana, três ativistas foram assassinadas na Guatemala e em Honduras.