Brasil, paraíso dos agrotóxicos

A notícia apareceu nas páginas “policiais” dos jornais dos dois países: na terça-feira, 28 de setembro, foram apreendidos no Brasil mais de 630 quilos de agrotóxicos introduzidos ilegalmente, oriundos do vizinho Uruguai. Por muitos anos, o Brasil foi o empório sul-americano de agrotóxicos, legais e ilegais. O governo de Jair Bolsonaro o transformou em um completo paraíso.

O protagonismo da Rel UITA em tempos de ditadura

O escritório da Rel UITA foi, nos anos mais duros da ditadura uruguaia, um ponto de encontro para jovens trabalhadores e trabalhadoras que mais tarde comporiam o Plenário Intersindical dos Trabalhadores (PIT), herdeiro da Convenção Nacional dos Trabalhadores (CNT), declarada ilegal e cujos principais líderes estavam no exílio, presos, desaparecidos ou tinham sido assassinados.

Um filme de terror

As últimas eleições uruguaias marcaram, entre outras coisas, o surgimento de um «partido militar» que em poucos meses conseguiu captar mais de 11% do eleitorado e que inclui, em suas fileiras, violadores de direitos humanos e nostálgicos da última ditadura.

Tudo está armazenado na memória

O livro “Wilson, Bitácoras de una lucha”, que lembra as peripécias vividas pelo político uruguaio Wilson Ferreira Aldunate, recebeu na terça-feira 10, dividindo com outro trabalho, o primeiro prêmio na categoria grande reportagem (livro) concedido pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos de Porto Alegre (MJDH) e pela Ordem de Advogados do Brasil (OAB) regional sul.

Uruguai pulverizado

O centro de Montevidéu viu-se lotado de apicultores que, com seus equipamentos de trabalho e colmeias, fizeram uma manifestação em luta pela punição de empresas e agricultores por usarem agrotóxicos de maneira indiscriminada, e exigindo serem indenizados, vítimas da enorme mortandade de suas abelhas.

Pelo mel que dá vida

Em uma década, mais de 1.500 apicultores, dos 4.500 no Uruguai, abandonaram a atividade, principalmente porque as abelhas estão morrendo devido ao uso indiscriminado de agrotóxicos. Além disso, o mel contaminado já não pode ser exportado para mercados que exigem uma produção «natural».