Como una bomba atômica

As abelhas – já a esta altura deveria ser de conhecimento de todos – não só produzem mel: elas desempenham um papel fundamental na produção dos alimentos. No entanto, estão desaparecendo como resultado de fenômenos evitáveis associados às atividades humanas.

Mais uma prova

De acordo com um relatório oficial, o pesticida Fipronil foi o responsável pela morte de milhões de abelhas na Costa Rica. Essa informação coincide com outras divulgadas no Brasil pela Rel UITA e pela APISBio¹, país onde o extermínio desses insetos já é considerado um desastre nacional.

As coisas podem mudar

O governo anterior da província de Buenos Aires, governada pela macrista María Eugenia Vidal, havia autorizado no final de 2018 pulverizar com agrotóxicos nas proximidades de centros populacionais e escolas rurais. Após fortes reações populares e científicas, ela voltou atrás e suspendeu sua implementação por um ano, uma resolução que o atual Executivo Provincial prorrogou.

Quando a vida não vale nada

No dia 25 de janeiro passado, a tragédia de Brumadinho fez um ano, quando o rompimento de uma barragem da mineradora Vale SA devastou tudo em seu caminho. O saldo foi de 270 mortos, a maioria trabalhadores da empresa, e o impacto ambiental e econômico na comunidade foi devastador.

Agrotóxicos, uma arma química particularmente nociva

O Brasil é o maior consumidor mundial de agrotóxicos desde 2013, e essa condição vem se consolidando ano após ano, especialmente após a chegada do governo de Jair Bolsonaro. Paralelamente, os casos de câncer no país dispararam e muitos deles são precisamente devido à exposição aos agrotóxicos.

Um ambiente livre de agrotóxicos e o resgate da memória

Em dezembro passado, a 36ª edição do Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, organizada pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos de Porto Alegre (MJDH) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Rio Grande do Sul, abriu um espaço para o debate sobre os impactos causados pelo uso indiscriminado de agrotóxicos nos cultivos da região, que durante 2019 provocou a mortandade de milhões de abelhas.

Encurralando os agrotóxicos

“O que está em questão é a saúde das crianças e dos adultos”, considerou um juiz federal argentino ao definir “um limite restritivo e de exclusão” para as pulverizações de agrotóxicos na região de Pergamino, na província de Buenos Aires.