“Os impactos na realidade do trabalho no campo”

A nova NR 31 entra em vigência a partir de outubro de 2021. Sua recente revisão não implicou em aspectos negativos para a realidade do trabalho dos trabalhadores e das trabalhadoras do setor agrícola, apesar de a bancada ruralista do Congresso brasileiro ter tentando impor modificações escandalosas como, por exemplo, não fornecer banheiro nem refeitório em lugares onde trabalhem menos de 10 pessoas.

Nota de Repúdio da CONTAR

A Confederação Nacional dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais (CONTAR), entidade sindical de grau superior, vem a público REPUDIAR a manifestação do presidente Jair Bolsonaro que durante a cerimônia de lançamento do Plano Safra (2020/2021) fez a seguinte afirmação: «o homem do campo é um exemplo de trabalhador brasileiro. Trabalham de segunda a domingo, por vezes, 24 horas por dia, e não reclamam de absolutamente nada».

A luta do movimento sindical continua

A data foi instituída através do Decreto 4.338, de 1º de junho de 1964, referência à morte do deputado federal gaúcho Fernando Ferrari, político que muito lutou pelos trabalhadores rurais, categoria sem qualquer visibilidade à época, embora trabalhasse na informalidade e sem direitos. Ferrari em sua caminhada atuou intensamente por direitos mínimos aos trabalhadores rurais.

Nota conjunta da CONTAG e da CONTAR

Nossas filiadas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais (CONTAR) encaminharam ofício aos presidentes de todas suas federações filiadas atendendo a urgência em acrescentar cuidados com a pandemia do cononavírus entre os trabalhadores e trabalhadoras do setor.

Brasil, cresce o número de lideranças assassinadas

Nos dias 5 e 6 de março, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) realizará um seminário em Brasília no qual diversos atores sociais abordarão a crescente violência contra os trabalhadores e as trabalhadoras rurais, contra lideranças indígenas, sindicais e sociais do Brasil. O encontro conta com o apoio da Central única dos Trabalhadores (CUT) e da Rel UITA.