SINDICATOS

FST lança movimento nacional de resistência às «reformas» de Temer

Composto por 21 confederações trabalhistas, o Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST) lançará no dia 5 de setembro, às 10h, a campanha Movimento Resistência Por Um Brasil Melhor, no auditório do Hotel Nacional, em Brasília (DF). 

Representantes de mais de 80 milhões de trabalhadores farão ações conjuntas nos Estados contra a implementação da «reforma trabalhista» (lei 13.467/2017) e a aprovação da «reforma da Previdência» (PEC 287/16). 

A programação vai até 8 de novembro e contará com atos públicos e entrega de projeto de lei de iniciativa popular na Câmara dos Deputados. Sindicalistas não descartam a possibilidade de greve geral. 

De acordo com o coordenador-nacional do FSTArtur Bueno de Camargo, o objetivo da ação é denunciar aos trabalhadores, aposentados, pensionistas e à sociedade em geral os efeitos prejudiciais do que chama de «desmonte da legislação trabalhista», conscientizando a população sobre os retrocessos defendidos pelo presidente Michel Temer (PMDB). 

Para isto, cinco comitês são encarregados de mobilizar os trabalhadores e as trabalhadoras em suas bases, com o apoio de federações e sindicatos. O FST também promete ocupar espaços nos principais meios de comunicação, nas tribunas livres das Câmaras de Vereadores e nas Assembleias Legislativas.

«Nossa intenção é resistir à aplicação destas maldades que constam na já aprovada ‘reforma’ trabalhista, mobilizando a classe trabalhadora para que façam constar nos acordos e convenções coletivas que a aplicação de qualquer item da reforma trabalhista terá de ser negociada com as representações dos trabalhadores. Havendo persistência por parte dos empregadores, cada entidade deverá ajuizar ação de inconstitucionalidade da lei», explica Bueno.

Ao percorrer o Brasil, o grupo também irá recolher assinaturas para tentar aprovar um projeto de lei de iniciativa popular que revoga as «reformas», com a entrega prevista para o mês de novembro, na Câmara dos Deputados.

«A ideia é encerrarmos nossa campanha com a entrega deste projeto de lei durante o Grande Encontro Nacional da Resistência da Classe Trabalhadora, na Esplanada dos Ministérios», comenta a liderança sindical, que destaca a extensão do convite da campanha às demais entidades representativas da sociedade, como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ministério Público do Trabalho (MPT), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Previdência Social (Anfip), entre outras.

Deja una respuesta