Ser gay e militante em Guatemala

Assistente social, ex-coordenador da Associação Gente Positiva e deputado eleito, Aldo Dávila trabalha há 25 anos na defesa das pessoas LGBTI. “Na Guatemala, a situação desta comunidade é muito complexa, a estigmatização é a regra”, disse para A Rel este jovem defensor que entusiasma por sua força de vontade e tenacidade, atitudes que explicam como em um país tão homofóbico e com uma campanha que contou com tão poucos recursos, conseguiu chegar ao Parlamento nacional.

Repressão e autoritarismo

Na quinta-feira, 3 de outubro, o povo equatoriano saiu às ruas para protestar pacificamente contra as medidas econômicas e fiscais do governo de Lenín Moreno. Milhares de manifestantes foram brutalmente reprimidos, houve mais de 200 detidos e dezenas de feridos, certificando a boa saúde do aparelho repressor e sua intencionalidade política.

Quem foi que pediu?

Estas reformas como as que vêm sendo impostas na Espanha e no Brasil, bem como as propostas no Peru e na Argentina – para citar alguns casos – são um fenômeno mundial, sendo que todas elas têm um denominador comum: reduzir o custo do trabalho, precarizar as condições de trabalho e privilegiar o capital sobre tudo e todos.

Epidemia mortal

Defender a terra e os bens comuns tornou-se cada vez mais perigoso e a possibilidade de perder a vida, quase uma certeza. Na última semana, três ativistas foram assassinadas na Guatemala e em Honduras.

Migrar para sobreviver

As mulheres são hoje, quase metade da população migrante do mundo de acordo com o Banco Mundial, e a tendência é isso aumentar, o que explica grande parte das mudanças nos fluxos migratórios. Vale destacar que a migração feminina já atingiu a mesma importância que a migração masculina.