O presidente e as transnacionais defendem os seus próprios interesses

A Irmã Dorothy Stang foi assassinada, com seis tiros, há 14 anos, no Pará, estado do Brasil que ocupa 26% de toda Amazônia Legal, tendo sido um exemplo vivo do quão arriscado pode ser “criar” novos caminhos dentro e fora da Igreja, quando as transnacionais se consideram ou querem ser as donas de uma região muito rica, como é o caso da Amazônia brasileira.

A permanente impunidade

Após esperarem em vão por mais de dois anos para que o Uruguai investigasse a fundo as ameaças de morte feitas por um comando paramilitar de extrema-direita, a maior parte dos ameaçados denunciou o Estado uruguaio para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

A maconha antissindical

A Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas do Rio Grande do Sul (FETAR-RS), a Federação dos Trabalhadores e Assalariados e Assalariadas do Paraná (FETAR-RP), a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura do Estado de Santa Catarina (FETAR-SC) e a Rel-UITA manifestaram seu rechaço diante da demissão da companheira Adriana Viera, porta-voz dos trabalhadores junto à FAISES-SIMBIOSYS, uma das empresas dedicadas à produção de maconha no Uruguai.

Encontrarás um emprego, mas nenhum direito

Seus defensores proclamam que gerariam milhares de novos postos de trabalho, porém após pouco mais de um ano de sua aprovação, a reforma trabalhista no Brasil além de não trazer os tais empregos prometidos, também desequilibrou bastante as relações de trabalho a favor das empresas, gerando uma crescente insegurança jurídica para o trabalhador.

Tempos difíceis, tempos de desafios

Durante a recente reunião do Comitê Latino-Americano da Mulher (CLAMU) com a Rel-UITA*, a coordenadora internacional da Aliança Global contra o Tráfico de Mulheres (GAATW), por sua sigla em inglês) enfatizou a necessidade de serem abordadas novas estratégias para um mundo onde o neoliberalismo é visto como sinônimo de bom senso.