Repressão e autoritarismo

Na quinta-feira, 3 de outubro, o povo equatoriano saiu às ruas para protestar pacificamente contra as medidas econômicas e fiscais do governo de Lenín Moreno. Milhares de manifestantes foram brutalmente reprimidos, houve mais de 200 detidos e dezenas de feridos, certificando a boa saúde do aparelho repressor e sua intencionalidade política.

Quem foi que pediu?

Estas reformas como as que vêm sendo impostas na Espanha e no Brasil, bem como as propostas no Peru e na Argentina – para citar alguns casos – são um fenômeno mundial, sendo que todas elas têm um denominador comum: reduzir o custo do trabalho, precarizar as condições de trabalho e privilegiar o capital sobre tudo e todos.

Epidemia mortal

Defender a terra e os bens comuns tornou-se cada vez mais perigoso e a possibilidade de perder a vida, quase uma certeza. Na última semana, três ativistas foram assassinadas na Guatemala e em Honduras.

Bolsonaro ao natural

Jair Bolsonaro não para de brincar de ser o Donald Trump da América do Sul: a última das suas tiradas foi defender o ditador chileno Augusto Pinochet e atacar a ex-presidenta do Chile, Michelle Bachelet, cujo pai foi torturado e assassinado pela ditadura que derrubou Salvador Allende.

Os incêndios na Amazônia e o fator Bolsonaro

Claudelice Santos é uma feminista e ativista ambiental oriunda do Pará, um dos estados mais violentos e onde mais se matam defensores dos bens comuns no Brasil. Nesta entrevista. Claudelice fala sobre as queimadas na Amazônia e sobre a vulnerabilidade de todo aquele que ousar denunciar os crimes ambientais ou as violações dos direitos humanos no país.

Margaridas por justiça e liberdade

A Marcha das Margaridas, realizada no último dia 14 em Brasília, com a participação de milhares de mulheres de várias partes do Brasil e do mundo apoiou a campanha pela libertação de Rommel Herrera e todos os presos políticos em Honduras, promovida pela Rel UITA e o Comitê de Familiares de Detidos e Desaparecidos de Honduras (COFADEH).

Um rio de mulheres e rebeldia

No dia 14 de agosto passado, milhares de mulheres dos diferentes recantos do Brasil e uma importante delegação estrangeira ocuparam completamente as principais artérias de Brasília, demonstrando sua força e capacidade de convocatória.