“É hora de reagir”

O movimento sindical brasileiro ainda não percebeu a gravidade da reforma trabalhista em vigor no país e deve acordar antes que seja tarde demais, disse para A Rel, Ernane Garcia, presidente da Federação dos Trabalhadores da Indústria da Alimentação do Paraná, filiada à Confederação Democrática Brasileira de Trabalhadores da Alimentação (Contac-CUT).

Em pé de guerra

Na sua unidade fabril, no município de Ponta Grossa, Paraná, a empresa transnacional BRF está em pé de guerra com o Sindicato dos Trabalhadores de Massas, Laticínios, Carnes e Derivados, que representa os trabalhadores e trabalhadoras da empresa na região.

Epidemia de assassinatos no campo brasileiro

O Brasil há anos é um país tóxico para as lideranças camponesas que lutam pela terra. Na semana passada, Márcio Matos Oliveira, um dos dirigentes nacionais do Movimento Sem Terra (MST) e integrante do PT, foi assassinado na propriedade rural em que ele morava, na cidade de Iramaia, sudoeste da Bahia, por “desconhecidos” diante de seu filho de seis anos.

O ensurdecedor silêncio do governo uruguaio

Foi no domingo passado que a ameaça de morte do denominado Comando Barneix contra os ativistas e defensores dos direitos humanos fez um ano. Jair Krischke, presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos de Porto Alegre, disse que a responsabilidade pela falta de investigações e de punição para os autores das ameaças é do governo de Tabaré Vázquez.

Sua arma, seu voto!

No dia 6 de dezembro passado, em Brasília, assumiu a nova diretoria da Confederação Nacional de Trabalhadores de Turismo e Hospitalidade (Contratuh) para o próximo quinquênio. Entre os convidados, esteve presente Paulo Paim, senador federal do PT.

Até quando?

O Brasil já começa o ano com mais um assassinato no campo, esta vez mataram um lutador social: Valdemir Resplandes, defensor dos direitos humanos e militante a favor da reforma agrária.