1º de Maio é nosso dia, mesmo que seja em época de isolamento

As palavras projetadas em uma parede de um edifício durante os protestos em massa do ano passado no Chile agora ressoam em todo o mundo: “Não voltaremos à normalidade, porque a normalidade era o problema”. A gigantesca crise econômica que acompanha a disseminação do COVID-19 mostra essa normalidade com toda a sua crueldade.

CONTAG e CONTAR irão realizar LIVE no Dia do Trabalhador e Trabalhadora

O cenário vivido pelos trabalhadores e trabalhadoras do campo, da floresta e das águas neste 1º de Maio é totalmente atípico e preocupante. Enfrentamos a pandemia por Covid-19, as medidas emergenciais para a agricultura familiar estão chegando lentamente, são insuficientes e de difícil acesso e, vemos com preocupação, o aumento do desemprego e da retirada de direitos pelo agravamento da crise econômica.

“Unidade na ação para enfrentar o modelo”

“As reformas trabalhistas na América Latina, que buscam baixar o custo do trabalho, afetarão toda a classe trabalhadora se não se tomarem medidas imediatas”, disse em sua mensagem de 1º. de Maio o secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação (STIA) – Córdoba e o secretário adjunto da Federação de Trabalhadores da Indústria de Alimentação (FTIA). A Rel transcreve a seguir a principal parte de sua declaração.