Artur Bueno Júnior

Artur Bueno Júnior

Artur Bueno Júnior (Brasil) - stial@stial.com.br

Nazismo e o governo Bolsonaro

A demissão do ex-secretário da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim, provocou manifesto quase consensual da sociedade contra a apologia nazista. O próprio ministro da justiça, Sergio Moro, definiu a manifestação de Alvim como “bizarra”, durante o programa Roda Viva desta segunda-feira (20). Caso encerrado? Não, a questão é mais profunda.

2019 e suas lições

O ano de 2019 terminou com a sensação de vitalidade do movimento sindical. Foram vitórias pontuais, mas vitórias concretas, no contexto de uma dura batalha contra o conluio Governo-Patronal. Momentos onde o trabalhador parece ter acordado para a dura realidade que nos cerca. Momentos que reforçaram a ideia de sobrevivência da representação classista.

Parabéns ao povo negro

Passados 131 anos da abolição da escravidão negra, o saldo de avanços da sociedade brasileira não permite grande comemoração nos tempos atuais. Nosso país ainda é injusto com os negros, e está longe de ter pago a dívida histórica, contraída durante os 388 anos de trabalho escravo.

Primeiro de Maio

Desconheço outro Primeiro de Maio mais angustiante na História, para a classe trabalhadora brasileira. Estamos ainda pior, que antes da Carta Trabalhista implantada por Getúlio Vargas. Antes dela, não tínhamos lei que garantisse sombra de tratamento digno por parte do empregador. Ao perdê-la, pudemos perceber o que é voltar para o inferno.

A carga tóxica do poder paralelo

Após quase um ano de apuração, o Ministério Público do Rio de Janeiro e a Polícia Civil daquele Estado prenderam, nesta semana, dois acusados pela morte da vereadora da Capital fluminense Marielle Franco, e do motorista Anderson Gomes. A prisão dos executores, no entanto, parece não ter trazido a conclusão definitiva do caso: “quem mandou matar? ”